Tag Archives: ELISA

A relação entre penfigóide bolhoso (PA) e doença neurológica tem sido objeto de numerosos estudos recentes e antígenos da PA e suas isoformas foram identificadas no sistema nervoso central (SNC). Embora os dados epidemiológicos apoiem essa associação, pouco se sabe sobre o patogênese por trás desse link e as características imunológicas de pacientes com PA e doenças neurológicas, além da esclerose múltipla (MS), não foram estudadas. Pretendemos comparar a resposta imune cutânea em pacientes com PA com e sem doença neurológica, para investigar se existe ou não um perfil imunopatológico distinto em pacientes com PA comcomitante e doença neurológica. Setenta e dois pacientes com PA foram incluídos e divididos em dois grupos; aqueles com doença neurológica (BP + N, n = 43) e aqueles sem (BP-N, n = 29).

Os pacientes do grupo BP + N tiveram uma doença neurológica confirmada por um médico hospitalar, neurologista ou psiquiatra com imagem neurológica positiva quando apropriado, ou um escore de Karnofsky de 50 ou menos devido a deficiência mental. Todos os soros foram analisados ​​com imunofluorescência indireta (IIF) usando diluições em série até 1: 120000, imunotransferência (IB) e ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA) para BP180 e BP230. Os títulos de anticorpos médios por IIF foram 1: 1600 vs. 1: 800 para BP-N e BP + N, respectivamente, embora a diferença não tenha significado estatístico (P = 0.93, teste U de Mann-Whitney).

Os valores de ELISA tanto para BP180 quanto para BP230 não diferiram significativamente entre os dois grupos. Da mesma forma, os autoanticorpos a antígenos específicos identificados por ELISA e IB não estavam relacionados à presença de doença neurológica. Os resultados deste estudo indicam que pacientes com PA e doença neurológica apresentam uma resposta imune tanto a BP180 quanto a BP230, portanto, a ligação entre o SNC e a pele não depende de um antígeno específico, mas possivelmente ambos os antígenos ou suas isoformas podem estar expostos seguindo um insulto neurológico e desempenhando um papel na geração de uma resposta imune.

Alerta de Ciências Rede Social

O penfigoide bolhoso é uma doença auto-imune de bolhas caracterizada pela presença de autoanticorpos circulantes que reconhecem proteínas específicas da epiderme e da junção dermoepidérmica. O diagnóstico é baseado em critérios clínicos e pesquisas laboratoriais, nomeadamente histologia, imunofluorescência direta e indireta e ELISA. Este estudo descreve um novo teste de imunofluorescência para a determinação paralela de anti-BP180 e anti-BP230 com base em substratos antigênicos recombinantes. O objetivo do estudo foi detectar os autoanticorpos BP180 e BP230 pela tecnologia BIOCHIP usando uma proteína recombinante BP180-NC16A especialmente desenvolvida e células que expressam o fragmento de antígeno BP230-gc. Pacientes 18 com penfigóide bolhoso foram incluídos no estudo. Os anticorpos para BP180 foram detectados pela técnica BIOCHIP em 83.33% de pacientes com penfigóide bolhoso confirmado clínico, sorológico e imunohistológico, enquanto os autoanticorpos contra BP230-gC foram detectados apenas em 39% de pacientes. A detecção de anti-BP180-NC16A e anti-BP230-gC por um novo imunoensaio baseado em biochip é uma alternativa adequada à imunofluorescência indireta e ao ELISA. Este método tem a vantagem de discriminar facilmente as diferentes especificidades de autoanticorpos. O método BIOCHIP é mais rápido, mais barato e fácil de usar quando comparado com a abordagem ELISA. Por esse motivo, o novo método poderia ser usado como um teste de triagem inicial para identificar pacientes com penfigóide bolhoso, e os resultados duvidosos poderiam então ser confirmados por ELISA.

Artigo completo (gratuito) encontrado aqui: http://www.hindawi.com/isrn/dermatology/2012/237802/

Abstrato

TEMA:

As análises sistemáticas e a meta-análise são ferramentas essenciais para resumir de forma precisa e confiável as evidências e podem ser usadas como ponto de partida para o desenvolvimento de diretrizes de prática para o diagnóstico e tratamento de pacientes.

AIM:

Para estimar a precisão diagnóstica de ensaios imunoenzimáticos (ELISA) para detectar autoanticorpos anti-BP180 e anti-desmogleína 3 (Dsg3) no diagnóstico de doenças de pele auto-imunes.

MÉTODOS:

Uma pesquisa Medline de artigos escritos em inglês, publicados entre 1994 e 2011, apresentando dados sobre a sensibilidade e a especificidade dos testes diagnósticos foram conduzidos utilizando os seguintes termos de busca: "autoanticorpos BP180", "autoanticorpos Dsg3" e "ensaio imunoenzimático ligado a enzima". Os artigos selecionados foram avaliados de acordo com a qualidade dos métodos estatísticos utilizados para calcular a precisão diagnóstica (definição de valor de corte, uso de curvas ROC e seleção de casos de controle). A meta-análise foi realizada utilizando uma curva ROC resumida (SROC) e um modelo de efeito aleatório para combinar de forma independente a sensibilidade e especificidade em todos os estudos.

RESULTADOS:

A pesquisa produziu publicações 69 em autoanticorpos BP180 e 178 em autoanticorpos Dsg3. Um total de estudos 30 preencheram os critérios de inclusão: 17 forneceu dados sobre os ensaios para detectar autoanticorpos para BP180 em uma amostra de pacientes 583 com penfigóide bolhoso (BP), enquanto os estudos 13 forneceram dados sobre os ensaios para pesquisar autoanticorpos anti-Dsg3 em uma amostra de pacientes 1058 com pênfigo vulgar (PV). Os estudos 17 sobre autoanticorpos BP180 renderam uma sensibilidade agrupada de 0.87 (95% de intervalo de confiança (CI) 0.85 para 0.89) e uma especificidade agrupada de 0.98 (CI, 0.98 para 0.99). A área sob a curva (AUC) para a curva SROC foi 0.988, e o odds ratio diagnóstico resumo foi 374.91 (CI, 249.97 para 562.30). O 13 estudou em autoanticorpos Dsg3 que atendiam aos critérios de inclusão, produziu uma sensibilidade agrupada de 0.97 (CI, 0.95 a 0.98) e uma especificidade agrupada de 0.98 (CI, 0.98 a 0.99). A AUC para a curva SROC foi 0.995 e o odds ratio diagnóstico resumo foi 1466.11 (95% CI, 750.36 para 2864.61).

CONCLUSÕES:

Os resultados da meta-análise demonstraram que os testes ELISA para autoanticorpos anti-BP180 e anti-Dsg3 têm alta sensibilidade e especificidade para BP e PV, respectivamente, e podem ser usados ​​na prática diária de laboratório para o diagnóstico inicial de doenças de pele com bolhas auto-imunes.
PMID: 22781589 [PubMed - fornecido pelo editor] (Fonte: Revisões de Autoimunidade)

de MedWorm: Pemphigus http://www.medworm.com/index.php? rid = 6303276 & cid = c_297_3_f &fid = 34528 & url = http% 3A% 2F%2Fwww.ncbi.nlm.nih.gov%2FPubMed% 2F22781589% 3Fdopt%3DAbstract

por Kirsten R Bellur

Há quase quatro anos que, depois de muitas tentativas falhadas, finalmente fui diagnosticado com precisão com Pemphigus. Em face desse pronunciamento solene, foi-me dito que havia uma boa notícia: era apenas Foliaceous, uma forma mais benigna, que era facilmente tratável com Prednisone. E sob esse tratamento, provavelmente irá embora. Mas essa visão sanguínea e uma explicação atenuante sobre a gravidade da doença não obviava o fato de que não conseguiria recuperar a integridade da minha pele.